Seja bem vindo ao blog "SAÍDA DE EMERGÊNCIA". Este é um blog todo produzido para ajudar a você que decidiu trabalhar em casa. Espero que encontre aqui a ideia que está buscando. Conte comigo. Um abraço da Mell.
DIREITOS AUTORAIS - É proibida a reprodução total ou em partes de imagens e artigos deste blog em outros blogs, sites ou páginas do Facebook,, Whats App e outras redes sociais sem os créditos devidos ou sem autorização da autora do blog. (Cópias sem créditos caracterizam Plágio. Este crime está previsto no artigo 184 do Código Penal de acordo com a Lei 9.610/98 dos Direitos Autorais)

Jornalzinho de Classificados




A minha sugestão de hoje vem de uma idéia louca do meu pai, que tem 77 anos, e eu preciso contar para você entender, por isso, perca uns minutinhos neste post, ok? Há oito anos, depois que minha mãe faleceu, ele foi morar sozinho na roça, na zona rural de uma cidadezinha vizinha à minha. Ele sempre trabalhou como entregador de jornais, aí já viu, né... o véio não conseguiu ficar parado, e deu um jeito de "criar" um jornalzinho lá para a comunidade onde ele mora hoje. Eu apelidei de "jornal da roça". Aquilo foi uma novidade para o povo de lá. Ele começou brincando com o povo, fazendo piadinhas com os moradores, colocando dicas de saúde, de direitos, fazendo uma pequena biografia de cada morador por mês, entre outros assuntos. Adivinha para quem sobrou uma parte do trabalho? Para mim, claro, pois ele sabia da minha habilidade em escrever e criar. Virei redatora, aliás,a equipe é formada por meu pai, eu e meu filho. Nós somos tudo, redatores, repórteres, investigadores, fotógrafos, diagramadores, e tudo o mais que precisar. Às vezes, tenho que sair da minha cidade e viajar duas horas de ônibus para tirar uma foto em algum evento na outra cidade. E vocês acham que tem alguém formado em alguma coisa aqui? Só meu filho que é estagiário em eletrônica, rsrsrs. Mas o importante é que "na roça" o povo dá valor ao trabalho de cidadania que fazemos. No início ele tirava do próprio bolso para bancar as cópias. Então, ele teve a idéia de pedir ao único comerciante do local (que é uma espécie de bar/mercearia) para contribuir com R$ 20,00 e em troca ele anunciaria o seu boteco. Com o tempo, ele atingiu a cidade, saiu da roça. Daí, não parou mais. O jornalzinho começou com duas páginas grampeadas e xerocadas e hoje tem dez páginas no tamanho A3. Então, como damos conta de fazer um jornal com tantas páginas? Lembra do primeiro anúncio no jornalzinho? Meu pai todos os meses traz dois ou três anúncios a mais. Quando um pára, ele já corre atrás de outro comerciante e consegue o anúncio. Na edição deste mês publicamos 29 anúncios, mas muitos já passaram pelo nosso periódico. Uns vão, outros chegam. Nossos patrocinadores pagam anúncios a partir de R$ 20,00 e até uma página inteira, inclusive até o ano passado a prefeitura da cidade tinha uma página conosco. Nunca ninguém nos perturbou em questão de pagar impostos ou alguma outra coisa, porque é um jornalzinho praticamente comunitário. Todos entendem que ele é recheado de assuntos de utilidade pública e que quem banca o jornal são os comerciantes do local, mas é claro que sobra para o bolso do meu pai, que não é bobo nem nada. É...a idéia do véio deu certo e hoje ele não tira um centavo do bolso, paga o jornal, dá um trocado para mim e para o meu filho e ainda sobra para ele. E nosso jornalzinho ainda continua xerocado, coisa de pessoas simples mas persistentes. Ainda não temos condições de mandar imprimí-lo numa gráfica. Apesar disso, estamos entrando no quinto ano de circulação, e sempre fazemos campanha nele mesmo para que pessoas nos ajudem a chegar lá. Porque contei tudo isso? Para te dar uma idéia que é a seguinte: se meu pai com 77 anos conseguiu isso, e o mais interessante, numa cidadezinha do interior, imagina você que mora numa cidade maior ou num grande centro? Quando ele "inventou" isso, não tinha noção de que algumas pessoas já fazem isso na cidade (mas bem poucas) e com anúncios bem mais caros. Preste atenção em quantas portas você pode bater oferecendo este tipo de serviço: são cabeleireiros, costureiras, cozinheiras, pedreiros, doceiras, artesãos, babás, e por aí vai. Eu falei até agora em profissionais liberais, mas tem também os comércios pequenos aí do bairro como salões de beleza, bares, mercearias, escolinhas, oficinas mecânicas, etc, etc e etc. Você pode fazer anúncios a partir de um certo valor como R$ 20,00 o mínimo e para quem tem uma logomarca você pode cobrar mais. Com a arrecação vai dar para imprimir e distribuir de graça. Mostre para o seu cliente que ele estará pagando bem pouco para ter uma boa divulgação do trabalho dele. Se você tiver disposição, faça um jornalzinho para cada região e distribua conforme a região em que os anunciantes estão estabelecidos. Mas lembre-se que você, no início, vai ter que andar muito para "contactar" os anunciantes e depois andar também para divulgá-los, mas não terá nada a perder, pelo contrário, vai lucrar um bom dinheirinho. Se tiver condições de imprimir numa gráfica, ótimo, mas se não, faça como nós ainda estamos fazendo, xerocando. Mas procure uma boa copiadora pois você tem que oferecer um bom trabalho também, não é verdade? Bom, o post foi grande mas creio que valeu a pena ler tudo isso. Um beijo grande e boa sorte.

Um comentário:

  1. muito legal essa historia, tenho 22 anos e estou pensando em montar um jornalzinho desse jeito na regiao onde eu moro, adorei essa liçao de otimismo e o blog tambem, nao conhecia!! vleu

    ResponderExcluir

Antes de comentar, saiba que:

- Antes de serem publicados, os comentários necessitam de aprovação. Ou seja, seu comentário não aparecerá na hora em que você o postou (geralmente, são aprovados em menos de 24h);
- Conteúdo ofensivo, propagandas, e propostas de parceria não serão aceitos nos comentários. No caso de interesse em parceria, entre em contato pelo meu e-mail melitaluzia@hotmail.com

VISITAS RECEBIDAS NO BLOG

.