DIREITOS AUTORAIS - É proibida a reprodução total ou em partes de imagens e artigos deste blog em outros blogs, sites ou páginas do Facebook,, Whats App e outras redes sociais sem os créditos devidos ou sem autorização da autora do blog. (Cópias sem créditos caracterizam Plágio. Este crime está previsto no artigo 184 do Código Penal de acordo com a Lei 9.610/98 dos Direitos Autorais)

28 de dezembro de 2009

A Banca do David


Oi, gente, como foi o Natal de vocês? Nossa, ainda não deu para descansar ainda, sabia? O povo se reune aqui em casa e o pior da festa é depois, né? Sobra tudo para euzinha aqui limpar sozinha, mas sem problemas, é uma vez no ano só... Quem passou por aqui não achou nada novo, né mesmo? A desculpa ainda é a mesma, tá? É a correria de final de ano. Mas vou deixar um post hoje sobre um homem cuja história li um dia e nunca mais esqueci. Ele não tinha dinheiro nem para comprar remédio para sua esposa e na hora do aperto teve que se virar. Bateu uma idéia que foi a mina de ouro e hoje ele é um grande empresário. É também um dos maiores conferencistas do Brasil. Seu nome é David Portes. David trabalhava na colheita de cana de açucar em Campos-RJ, mas resolveu tentar a vida na capital Rio de Janeiro com a esposa. Chegando lá, foi trabalhar como motorista na Polygram, mas não durou muito tempo seu emprego. Demitido, não tinha como pagar o aluguel do barraco onde estavam morando e foram despejados, indo morar na rua. Sua esposa estava grávida, e precisava de um remédio. Ele teve então a idéia de pedir R$ 12,00 emprestados para comprar o medicamento, mas ao invés de entrar na farmácia, ele comprou meia dúzia de doces (eu creio que deve ter sido uma caixinha) e começou a vendê-los ali na calçada. Com o dinheiro que vendeu os doces, comprou mais e vendeu de novo. Aí ele comprou o remédio e ainda voltou com dinheiro para casa. Naquela mesma calçada, David começou sua barraca e dali para frente, ele progrediu e se tornou o grande empresário que é hoje. Apesar de ter prosperado, de ter sua empresa e ser um dos palestrantes mais bem pagos do Brasil, sua barraca continua lá para ele não esquecer do início de tudo. O diferencial? David traz sempre estampado no rosto um belo sorriso, faz promoções inusitadas usando sua criatividade, entrega se o cliente estiver numa área próxima, nas datas comemorativas ele sempre dá um brindezinho, e por aí vai. Hoje ele é considerado o segundo camelô mais conhecido do Brasil, só perdendo para o Sílvio Santos. A história de David é parecida com a de muitos de nós, que precisamos de uma solução. Às vezes pensamos que é preciso rios de dinheiro para começar um negócio, mas muitas vezes só precisamos mesmo é de um empurrão, e o "aperto" vai ser a mola propulsora para a gente tomar uma atitude. Claro que para se abrir uma empresa direitinho é necessário muito dinheiro mesmo, mas a gente pode começar na informalidade, dentro de casa mesmo, como muitos brasileiros fazem por aí. Não tem emprego, gente! Falam que tem, mas não é verdade. Prova disso é que eu com 47 anos, cheia de experiência, tô aqui dentro de casa "esperando cair do céu" um para mim, porque eu desisti de procurar e tomei a decisão de trabalhar em casa mesmo. E pensem o que quiserem pensar, pois não tenho dinheiro para pagar passagem todo dia para procurar emprego, e ninguém vai pagar para mim. Vou fazendo meus chup-chups, meus arranjinhos de flores, meus sachês, vou cuidando de crianças e não fico sem dinheiro. Não desistam de fazer valer estas "pequenas" idéias, pois são elas que nos salvam. Não tenham vergonha de vender chup-chup, pois é de cinco em cinco centavos que seu cofrinho vai encher e não vai faltar mantimento no armário, ok? Beijos, amigos, e espero encontrá-los antes que o ano acabe.

.